Fraude no boleto bancário: como evitar

Eles chegam pelos Correios, pelo e-mail e podem até ser baixados na internet. Os boletos bancários são simples, práticos e atendem, inclusive, aqueles que não têm conta em banco. Não é à toa que são a segunda forma de pagamento mais usada no Brasil, perdendo apenas para o cartão de crédito. Nas instituições de ensino eles também são muito usados, seja para pagamento de mensalidade, excursões ou outras taxas.

Se por um lado os boletos oferecem conforto e economia de tempo ao consumidor, por outro, podem causar uma grande dor de cabeça. A armadilha é a famosa fraude no boleto bancário, que existe em diferentes formas e já fez milhares de vítimas no Brasil.

De acordo com o site Reclame Aqui, as queixas de golpes de boletos falsos cresceram 55% em 2018. Os reclamantes relatam que os boletos fraudados chegam idênticos aos reais e, em muitos casos, são acompanhados de descontos para que o cliente quite uma dívida, principalmente em segmentos como serviço de TV a cabo e internet.

Há dois anos a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) criou a Nova Plataforma de Cobrança (NPC) para a emissão de boletos registrados. A medida inibiu algumas fraudes, mas infelizmente os golpistas ainda encontram formas de adulterar os boletos.

Como os números do código de barras são alterados, o cliente efetua o pagamento, que vai para a conta do golpista. Dessa forma, o prejuízo acaba sendo do consumidor e da empresa que oferece o serviço ou produto. Justamente por isso é importante que as instituições de ensino que usam boletos alertem os alunos, pais e responsáveis financeiros sobre os cuidados para não caírem no golpe.

Principais golpes da fraude no boleto bancário

A alteração do código de barras é o princípio básico da fraude do boleto bancário. Como é ali que está a informação da conta bancária para onde será destinado o pagamento, é justamente nessa área que a alteração acontece. Mas, para fazer isso, os golpistas podem se utilizar de diferentes métodos. Conheça alguns deles e ajude os alunos, pais e responsáveis financeiros a se prevenirem!

Vírus do boleto

Também chamado de Bolware, o vírus do boleto é usado por criminosos para invadir ambientes digitais, como computadores, celulares e pen drives. Ele tem acesso ao documento do boleto e consegue fazer as alterações, como valores e conta destino.

Site falso

O boleto fraudado também pode ser gerado em um site falso. Pode se tratar de uma página que oferece serviço ou produto que sequer existe ou, ainda, um ambiente falso para baixar segunda via do boleto de determinada empresa.

Roubo de malote

Há casos em que os malotes de boletos impressos são roubados antes de sair para a entrega dos Correios. Os criminosos trocam os documentos reais pelos adulterados e as pessoas recebem o boleto falso em seu endereço.

Saiba identificar fraude no boleto bancário

Os boletos são meios eficientes de pagamento e continuarão sendo utilizados por diferentes organizações, sejam privadas ou públicas. O alerta de fraude não é para que as pessoas fiquem com medo de pagar boletos, mas para que elas sejam cautelosas em relação ao documento que está em suas mãos.

Mas, como saber se um boleto é falso? Confira algumas dicas:

1 – Verifique os dados da empresa

Ao pegar o boleto confira informações como nome e dados da empresa prestadora do serviço ou produto, como CNPJ e endereço.

2 – Analise o código de barras

Desconfie de códigos de barras com falhas ou espaçamentos diferentes que impeçam a leitura na máquina. Além disso, no caso de boletos bancários, confira sempre os primeiros dígitos, que serão os primeiros números do código do banco. Veja também os últimos dígitos, que devem ser igual ao valor da conta a ser paga.

3 – Proteja seus dispositivos

É importante que o usuário proteja seu computador ou celular de vírus, seja instalado e atualizado um antivírus ou se mantendo cuidadoso em relação aos sites que acessa ou links que clica. Quanto mais protegido estão os dispositivos menos chance de ele ser invadido por um Bolware.

Sua instituição emite boleto? Faça um alerta!

Comunicar essas dicas aos alunos, pais e responsáveis financeiros pode ser muito eficaz para as escolas que usam os boletos como forma de pagamento e querem evitar problemas com fraudes. Lembre-se: mesmo que o problema não tenha sido causado pela sua instituição ela também será prejudicada com a falta de pagamento.

Leia também: Como facilitar a comunicação com os alunos e a família utilizando a tecnologia

Uma dica é produzir um comunicado que pode ser enviado aos alunos e famílias, além de ser publicado em outros canais de comunicação da escola, como site e redes sociais. Nele, a escola deve fazer uma alerta às fraudes em boletos e explicar detalhadamente como verificar se o documento é verdadeiro.

Para ficar mais simples a visualização das informações, a escola pode trazer um exemplo de boleto. A imagem pode ter sinalizações dos números que precisam ser verificados. Por exemplo, se a escola emite o boleto no banco X, ela informa o código desse banco e mostra que esses números devem aparecer no início do código de barras da conta.

Veja um exemplo de comunicado:

Prezados alunos/responsáveis financeiro,

Considerando a possibilidade de fraude no boleto bancário, uma prática que vem ocorrendo com frequência no mercado financeiro, pedimos especial atenção na conferência do boleto bancário da Instituição XXXXX.

Em caso de dúvidas em relação à legitimidade do boleto recebido, orientamos que emitam a 2ª via pelo Portal do Aluno ou utilizem a linha digitável pelo Aplicativo da Escola/Faculdade.

Dicas para conferência da autenticidade do Boleto da Instituição XXXXX:

Com base na imagem ilustrativa abaixo:

1) certifique-se de que o número do Banco é o xxx e que a linha digitável também comece com o mesmo número: xxx (Banco xxx);

2) verifique se o código do cedente (conta corrente – xxxxx-x) e o nosso número estão inseridos na linha digitável;

3) antes de autorizar o pagamento, confira se os dados do cedente são da Instituição XXXXXX

fraude no boleto bancário

Como identificar fraude no boleto bancário

Emita boletos com segurança e praticidade

Adotar um sistema de gestão escolar que seja registrado e homologado na plataforma da Febraban é o mais indicado para todas as instituições de ensino. Isso evitará que as elas fiquem se preocupando com possíveis mudanças no processo de emissão de boletos, como aconteceu há dois anos quando foi criada a Nova Plataforma de Cobrança (NPC). Essa é uma preocupação dos softwares e eles é que se adaptam às alterações, garantindo a legalidade no processo.

Um sistema de gestão também traz toda a praticidade de preenchimento e confecção dos boletos, além da integração com informações do sistema financeiro. Isso acelera outros processos como relatórios de inadimplência e controle de pagamentos. Venha conhecer essas e outras vantagens com os softwares da AIX Sistemas